HOME DESTAQUE 
Meirelles prevê alta na arrecadação no segundo semestre
  Edson Paim,    Sexta, 04 de Agosto de 2017 - 19:34

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, previu nesta sexta-feira (4) a retomada da receita no segundo semestre e ressaltou que a decisão sobre se o governo muda ou não a meta de déficit primário de R$ 139 bilhões para este ano vai depender da evolução da arrecadação nos próximos meses. "A expectativa é que haja recuperação da receita no segundo semestre", disse a jornalistas após fazer palestra em evento da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) em São Paulo.

O ministro destacou que a queda da arrecadação no começo de 2017 ajudou a aumentar as dúvidas dos economistas e do mercado sobre o cumprimento da meta este ano. "Estamos olhando isso com muita atenção e cuidado para tomar as decisões que sejam as mais realistas para o País."

Se a expectativa de alta da arrecadação no segundo semestre for confirmada, não haveria necessidade de mudança da meta, ressaltou Meirelles. O ministro destacou que as despesas discricionárias estão controladas. "Estamos agora com um nível de despesas em termos reais equivalentes a 2010."

Meirelles observou que os efeitos da reforma da Previdência nas contas fiscais brasileiras são de médio e longo prazo, mas o impacto nos índices de confiança dos agentes é imediato, que ajudaria a trajetória de recuperação da economia em 2018. "Os agentes não esperam acontecer, antecipam os problemas ou soluções."

O ministro declarou que o mercado financeiro tem sinalizado que o nível de condução da economia pela equipe econômica é "forte e crescente". Neste contexto, caso o governo precise alterar a meta fiscal, o movimento vai ser compreendido pelos agentes e investidores.

"O mercado reconhece esforço enorme do governo para cumprir a meta", disse ele, destacando que os agentes vão entender que qualquer decisão será "realista e tomada com responsabilidade". Eventual mudança da meta, disse ele, precisa ser analisada com muito "cuidado e rigor". "O país precisa ter confiança de que existe condução com responsabilidade da política econômica", afirmou o ministro. O compromisso, por enquanto, é cumprir a meta de R$ 139 bilhões.

Perguntado sobre se há estudos para a alta de novos tributos com o objetivo de aumentar as receitas do governo, Meirelles ressaltou que a questão do tempo para que uma elevação de impostos tenha efeito este ano começa a ficar relevante. Alguns tributos, por exemplo, só podem valer depois de 90 dias do anúncio e outros precisam passar pelo Congresso, como a reoneração da folha.

"A carga tributária no Brasil já é muito elevada. No momento não estamos estudando outros aumentos de impostos", declarou o ministro. Ao falar sobre a arrecadação, Meirelles citou alguns itens que podem gerar receitas extraordinárias e podem ajudar a cumprir a meta, como precatórios judiciais depositados na Caixa, privatizações, leilões de hidrelétricas e outorgas de aeroportos. "Isso deve gerar arrecadação importante."

Previdência

Meirelles voltou a dizer nesta sexta-feira que prevê a aprovação da reforma da Previdência no Congresso em menos de três meses e, ao defender novamente as mudanças nas regras das aposentadorias, disse que a dívida pública está em situação "dramática".

Ele citou a declaração do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de que a matéria deve ser colocada em pauta no início de setembro. "Não há duvida de que há chances grandes de isso (reforma da Previdência) ser aprovado até o fim de outubro", afirmou Meirelles.

Ele comentou que a aprovação da reforma da Previdência, embora não tenha grande efeito imediato sobre as contas públicas, terá impacto positivo na economia já no ano que vem, uma vez que o mercado antecipa os efeitos positivos da medida na forma de queda dos juros estruturais, na confiança e na melhora na perspectiva sobre as finanças públicas.


Segundo Meirelles, embora não seja proporcionalmente tão alta para os padrões internacionais, a dívida pública brasileira chegou a uma situação dramática em razão de sua trajetória de crescimento e pela alta carga de juros. "No momento que se normaliza tudo isso, você tem um efeito muito grande", comentou o ministro, ao ressaltar novamente a importância da aprovação da reforma da Previdência para conter as despesas públicas.

"Nós sabemos que o mercado antecipa, não espera acontecer. O mercado olha lá na frente e traz o preço para hoje. Então, a questão da Previdência é que quando se vê as despesas públicas crescendo a um ritmo insustentável e as despesas da Previdência também crescendo em ritmo insustentável, isso significa taxa de juros estruturalmente elevada e incertezas. No momento em que se aprova a Previdência, o impacto também é trazido a valor presente", acrescentou.

Microrreformas

Meirelles disse ainda que, em paralelo a medidas estruturais, como a reforma da Previdência, o Brasil passa por uma agenda intensa de microrreformas que vão melhorar a produtividade da economia. Aos empresários e executivos do setor imobiliário Meirelles disse que a equipe econômica trabalha numa solução técnica aos distratos de imóveis e prometeu colocar o mais rápido possível em pauta no Conselho Monetário Nacional (CMN) a regulamentação das letras imobiliárias garantidas (LIGs), um dos projetos básicos do pacote de reformas microeconômicas. "A ideia é implantar isso o mais rápido possível."

Meirelles, em sua palestra no evento, reconheceu que o País vivia até agora um clima de incerteza econômica e considerou que a partir de agora as preocupações dos investidores virão cada vez mais das eleições do ano que vem.

Apesar disso, considerou que a percepção de continuidade da condução "responsável" da política econômica poderá, em conjunto com medidas que estabelecem compromissos de longo prazo, como o regime de teto dos gastos públicos, reduzir as incertezas sobre a sucessão no Planalto.

OCDE

Meirelles disse que o Brasil já está qualificado para entrar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Segundo ele, a entrada no órgão significa um compromisso formal que o Brasil assume com outros países de adotar políticas racionais por um longo período.

Ele citou como exemplo que, na área tributária, a Receita Federal já está trabalhando com a OCDE em princípios internacionais de tributação. Ele adiantou, porém, que a entrada do Brasil na organização é um processo longo.


 Fonte:

 Continue lendo matérias relacionadas a esta, clique aqui

   Publicidade:

 As Mais lidas
Quais os alimentos que contém carnosina? (Alexandrie Lasserre)
Corpo de Itamar Franco é cremado em Minas Gerais
Comida certa aumenta a capacidade de raciocínio, aprendizado e memória
A Guavira - Tradição do Cerrado Sul-Mato-Grossense
Casos de dengue dobram em janeiro e Rio entra em alerta

 Notícias Golspel
Isso Que é Viver - Renan Freixes (Hillsong Y&F - This Is Living) Cover
Natal ou Dia de Natal (Wikepédia)
‘Rolava tudo’, diz Thalles sobre vida antes de sucesso na música gospel
Festival Promessas celebra música evangélica no Rio de Janeiro

 Mundo Jovem
'Não mudamos o visual', diz Pe Lu sobre fase menos colorida do Restart
Em clima de histeria, Justin Bieber faz primeiro show no Brasil

Todos direitos reservados a EdsonPaim.com.br ®2010 | Desenvolvido por Dathus.c.rocha