HOME USA 
Episódio do grampo dos EUA está "superado" para o governo, diz ministro
  Edson Paim,    Domingo, 05 de Julho de 2015 - 07:42

Em 05 de julho de 2015 as 05h26

Ministro afirmou ao G1 que nova revelação se refere a fatos antigos.
WikiLeaks divulgou que EUA espionaram 29 telefones do governo Dilma.
Fonte: G1


O ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, afirmou neste sábado (4) ao G1 que, mesmo diante da revelação de que os Estados Unidos grampearam 29 telefones do governo brasileiro no início da gestão Dilma Rousseff, para o Palácio do Planalto o episódio da espionagem norte-americana está "superado".

O site WikiLeaks divulgou neste sábado uma lista classificada pela Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) dos EUA como "ultrassecreta", a qual revela que, além da própria presidente da República, ministros, diplomatas e assessores do Executivo federal foram espionados pela agência de inteligência.

Edinho Silva relatou ao G1 que conversou com Dilma na manhã deste sábado após a divulgação dos alvos brasileiros da espionagem dos Estados Unidos. Segundo ele, a avaliação do governo é de que as informações são relacionadas a fatos antigos.

"A posição do governo é de que esse episódio é relacionado a episódios antigos. O próprio governo americano reconheceu internacionalmente o erro e assumiu compromisso de mudança de prática. Para o governo [brasileiro], está superado", ressaltou o titular da Comunicação Social.

A GloboNews, em parceria com a publicação online "The Intercept", divulgou neste sábado, simultaneamente com o Wikileaks, a relação de telefones do governo que foram grampeados pela NSA. A lista revelou que o telefone via satélite Inmarsat instalado no avião presidencial, com o qual Dilma se comunica com o mundo quando está a bordo da aeronave, é um dos 29 números monitorados pela NSA. Os números telefônicos foram espionados no início da gestão Dilma.

Entre outros nomes, estavam na lista da NSA o ex-chefe da Casa Civil Antonio Palocci; o atual ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, que, à época, ocupava o cargo de secretário-executivo do Ministério da Fazenda; o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general José Elito Siqueira, responsável pela segurança da presidente da República; e o ex-ministro das Relações Exteriores e atual embaixador do Brasil em Washington, Luiz Alberto Figueiredo, então subsecretário-geral de Meio Ambiente.

A relação vazada pelo WikiLeaks também mostra que quatro números do escritório da presidente no Palácio do Planalto eram monitorados pelos espiões dos EUA, além dos telefones do assessor pessoal da petista, Anderson Dornelles, e da secretária Nilce.

Os grampos norte-americanos, revela a lista do WikiLeaks, também foram instalados em embaixadas, no Banco Central e na residência de diplomatas.

Ao G1, o ministro da Comunicação Social destacou que a presidente da República recém retornou de uma viagem oficial aos Estados Unidos, que, segundo ele, teve com um de seus objetivos a "reaproximação" com Washington. Ao longo dos quatro dias de estadia em território norte-americano, Dilma visitou oficialmente a Casa Branca, se reuniu com empresários em Nova York e foi conhecer a sede do Google, na Califórnia.

"A viagem [aos EUA] foi de reaproximação, construção de uma relação mais qualificada, de parcerias mais importantes", disse Edinho Silva.

Em 2013, a revelação de que Dilma havia sido espionada pela agência norte-americana gerou uma crise diplomática entre Brasil e Estados Unidos. Indignada com a espionagem, a presidente brasileira cancelou, à época, uma visita de Estado (a mais alta da diplomacia) agendada para Washington e condenou duramente as ações de espionagem dos EUA na Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York.

No mês passado, quase dois anos depois do início do mal-estar diplomático com a Casa Branca, Dilma afirmou ao jornal belga "Le Soir" que a crise gerada por conta do episódio da espionagem era “uma questão do passado”. Em meio à visita oficial desta semana, o tema não ganhou destaque por parte dos chefes de Estado do Brasil e dos EUA.

Indagada em uma coletiva de imprensa concedida na última terça (30) na Casa Branca sobre se a crise diplomática gerada pelos grampos estava superada, a presidente brasileira chegou a brincar com o fato de ter sido espionada. Ao lado de Barack Obama, Dilma voltou a dizer que o colega norte-americano havia lhe prometido que, se quisesse saber qualquer coisa sobre o Brasil, ele ligaria para ela.

Para Edinho Silva, o governo avalia que as revelações deste sábado são muito semelhantes com as que a imprensa já havia divulgado. De acordo com o ministro, ao conversar com Dilma nesta manhã, eles não discutiram os nomes de pessoas espionadas.


 Fonte:G1

 Continue lendo matérias relacionadas a esta, clique aqui

   Publicidade:

 As Mais lidas
Quais os alimentos que contém carnosina? (Alexandrie Lasserre)
Corpo de Itamar Franco é cremado em Minas Gerais
Comida certa aumenta a capacidade de raciocínio, aprendizado e memória
A Guavira - Tradição do Cerrado Sul-Mato-Grossense
Casos de dengue dobram em janeiro e Rio entra em alerta

 Notícias Golspel
Isso Que é Viver - Renan Freixes (Hillsong Y&F - This Is Living) Cover
Natal ou Dia de Natal (Wikepédia)
‘Rolava tudo’, diz Thalles sobre vida antes de sucesso na música gospel
Festival Promessas celebra música evangélica no Rio de Janeiro

 Mundo Jovem
'Não mudamos o visual', diz Pe Lu sobre fase menos colorida do Restart
Em clima de histeria, Justin Bieber faz primeiro show no Brasil

Todos direitos reservados a EdsonPaim.com.br ®2010 | Desenvolvido por Dathus.c.rocha